Como funciona?

No lado direito do blogue encontra-se uma lista de palavras-chave ("ETIQUETAS"). Clicando numa, abrirá todos os tópicos relacionados. Para pesquisar por temáticas gerais do programa de HGP, sugere-se etiquetas que começam por til, que se encontram no final da lista (~A1- Ambiente natural e primeiros povos) ou no ÍNDICE.

terça-feira, 8 de abril de 2008

Zeca Afonso


Colaboração de Carlos Cruchinho.

5 comentários:

Eduardo F. disse...

Olá,

vim parar a este blogue através daqueloutro da Teresa Martinho.

Vi Zeca ali ao lado e "pinchei" nesta apresentação.

Queria fazer alguns reparos importantes.

1)
O autor começa por dizer que o Zeca foi um cantor e compositor de música de intervenção.

Cito o seguinte da recentemente editada obra com as partituras das canções:
"«José Afonso é o nosso maior cantor de intervenção!»
Este elogio tão consensual e aparentemente tão generoso é a forma mais eficaz de liquidar a obra do grande mestre da música popular portuguesa, no que ela tem de universal e de artisticamente superior."

http://vejambem.blogspot.com/2010/11/finalmente-as-partituras-e-acordes-de.html


2)
Diz que o ano em que foi editada a canção "Maio, Maduro Maio" (1971, no álbum Cantigas do Maio) coincidiu com a revelação ou confirmação de nomes como -SOBRETUDO- Sérgio Godinho e José Mário Branco. Fausto já tinha lançado um álbum, em 1970, mas a sua maior visibilidade começa em 1974, com o álbum "Pró que der e vier". Janita apenas grava o seu primeiro disco em 1981. Vitorino apenas surge com um disco seu em 1975. Júlio Pereira esteve nos Petrus Castrus, mas, em nome próprio, ou só em 1975 (o disco com Carlos Cavaleiro não deve ter tido assim tanto impacto) ou no final da década, com o Lisboémia (de 1978)

3)
O disco de 1970, Traz Outro Amigo Também, não foi elaborado com a presença de José Mário Branco. Com ele esteve, sim, Carlos Correia, mais conhecido como Bóris (pertenceu aos Álamos, um grupo de Coimbra, dos anos 60)
3.1) A canção "Somos Filhos da Madrugada" tem como verdadeiro nome "Canto Moço".

4) Uma ambiguidade, perfeitamente evitável: começa o amigo por dizer o seguinte:
"Em 1985 José Afonso já se encontra muito doente. O Coliseu de Lisboa é o palco do seu último espectáculo."
Duas notas: pelo encadeamento das frases, dá-se a perceber que o espectáculo do Coliseu se deu em 1985, o que não é verdade - foi em Fevereiro de 83. O amigo não diz, de facto, que ele foi em 85, mas pode concluir-se, embora nada nos precaveja contra essa interpretação.
Depois, o concerto no Coliseu dos Recreios não foi o seu último concerto: esse deu-se, sim, no Coliseu do Porto, uns dias depois do de Lisboa.

5) O álbum Com as Minhas Tamanquinhas foi editado em 1976, não em 1975.

6) O primeiro disco de José Afonso foi gravado em 1953, um single. "Baladas de Coimbra" é um título dado a (pelo menos) três discos de média duração (epês), sendo que o primeiro foi editado em 1962.

Espero que tome estas notas como ajudas construtivas e preservadoras da verdade e da história do "amigo maior que o pensamento".

:)

Abraço.

Eduardo F. disse...

Olá,

vim parar a este blogue através daqueloutro da Teresa Martinho.

Vi Zeca ali ao lado e "pinchei" nesta apresentação.

Queria fazer alguns reparos importantes.

1)
O autor começa por dizer que o Zeca foi um cantor e compositor de música de intervenção.

Cito o seguinte da recentemente editada obra com as partituras das canções:
"«José Afonso é o nosso maior cantor de intervenção!»
Este elogio tão consensual e aparentemente tão generoso é a forma mais eficaz de liquidar a obra do grande mestre da música popular portuguesa, no que ela tem de universal e de artisticamente superior."

http://vejambem.blogspot.com/2010/11/finalmente-as-partituras-e-acordes-de.html

Eduardo F. disse...

2)
Diz que o ano em que foi editada a canção "Maio, Maduro Maio" (1971, no álbum Cantigas do Maio) coincidiu com a revelação ou confirmação de nomes como -SOBRETUDO- Sérgio Godinho e José Mário Branco. Fausto já tinha lançado um álbum, em 1970, mas a sua maior visibilidade começa em 1974, com o álbum "Pró que der e vier". Janita apenas grava o seu primeiro disco em 1981. Vitorino apenas surge com um disco seu em 1975. Júlio Pereira esteve nos Petrus Castrus, mas, em nome próprio, ou só em 1975 (o disco com Carlos Cavaleiro não deve ter tido assim tanto impacto) ou no final da década, com o Lisboémia (de 1978)

3)
O disco de 1970, Traz Outro Amigo Também, não foi elaborado com a presença de José Mário Branco. Com ele esteve, sim, Carlos Correia, mais conhecido como Bóris (pertenceu aos Álamos, um grupo de Coimbra, dos anos 60)
3.1) A canção "Somos Filhos da Madrugada" tem como verdadeiro nome "Canto Moço".

4) Uma ambiguidade, perfeitamente evitável: começa o amigo por dizer o seguinte:
"Em 1985 José Afonso já se encontra muito doente. O Coliseu de Lisboa é o palco do seu último espectáculo."
Duas notas: pelo encadeamento das frases, dá-se a perceber que o espectáculo do Coliseu se deu em 1985, o que não é verdade - foi em Fevereiro de 83. O amigo não diz, de facto, que ele foi em 85, mas pode concluir-se, embora nada nos precaveja contra essa interpretação.
Depois, o concerto no Coliseu dos Recreios não foi o seu último concerto: esse deu-se, sim, no Coliseu do Porto, uns dias depois do de Lisboa.

5) O álbum Com as Minhas Tamanquinhas foi editado em 1976, não em 1975.

6) O primeiro disco de José Afonso foi gravado em 1953, um single. "Baladas de Coimbra" é um título dado a (pelo menos) três discos de média duração (epês), sendo que o primeiro foi editado em 1962.

Espero que tome estas notas como ajudas construtivas e preservadoras da verdade e da história do "amigo maior que o pensamento".

:)

Abraço.

Eduardo F. disse...

2)
Diz que o ano em que foi editada a canção "Maio, Maduro Maio" (1971, no álbum Cantigas do Maio) coincidiu com a revelação ou confirmação de nomes como -SOBRETUDO- Sérgio Godinho e José Mário Branco. Fausto já tinha lançado um álbum, em 1970, mas a sua maior visibilidade começa em 1974, com o álbum "Pró que der e vier". Janita apenas grava o seu primeiro disco em 1981. Vitorino apenas surge com um disco seu em 1975. Júlio Pereira esteve nos Petrus Castrus, mas, em nome próprio, ou só em 1975 (o disco com Carlos Cavaleiro não deve ter tido assim tanto impacto) ou no final da década, com o Lisboémia (de 1978)

Eduardo F. disse...

3)
O disco de 1970, Traz Outro Amigo Também, não foi elaborado com a presença de José Mário Branco. Com ele esteve, sim, Carlos Correia, mais conhecido como Bóris (pertenceu aos Álamos, um grupo de Coimbra, dos anos 60)
3.1) A canção "Somos Filhos da Madrugada" tem como verdadeiro nome "Canto Moço".

4) Uma ambiguidade, perfeitamente evitável: começa o amigo por dizer o seguinte:
"Em 1985 José Afonso já se encontra muito doente. O Coliseu de Lisboa é o palco do seu último espectáculo."
Duas notas: pelo encadeamento das frases, dá-se a perceber que o espectáculo do Coliseu se deu em 1985, o que não é verdade - foi em Fevereiro de 83. O amigo não diz, de facto, que ele foi em 85, mas pode concluir-se, embora nada nos precaveja contra essa interpretação.
Depois, o concerto no Coliseu dos Recreios não foi o seu último concerto: esse deu-se, sim, no Coliseu do Porto, uns dias depois do de Lisboa.

5) O álbum Com as Minhas Tamanquinhas foi editado em 1976, não em 1975.

6) O primeiro disco de José Afonso foi gravado em 1953, um single. "Baladas de Coimbra" é um título dado a (pelo menos) três discos de média duração (epês), sendo que o primeiro foi editado em 1962.

Espero que tome estas notas como ajudas construtivas e preservadoras da verdade e da história do "amigo maior que o pensamento".

:)

Abraço.